segunda-feira, 3 de junho de 2013

Bélgica.. aí vou eu!!!

Oiiiii!!!

Pois é, a conversa ontem com a família da Bélgica foi excelente. Gostei muito deles; todo mundo parecia super alegre e a interação deles com a au pair também pareceu ser super boa. Enfim, uma família bem calorosa.

Hoje pela manhã, a host mom me mandou um email dizendo que a nossa conversa tinha sido muito boa e se eu estava interessada em juntar-me à família a partir de setembro. Eu não pude responder nada além de "é claro que eu quero!!!". Estou tão empolgada e tão contente. :-)

A conversa com a família da França também foi boa. Como a au pair me disse, eles não são ruins, apenas um pouco frios. E de fato, eles foram bem educados, mas não senti a mesma atmosfera amigável que senti na família da Bélgica.

Enfim, agora esperar para ver como será todo o processo e estou muito feliz em dizer que VOU PASSAR MAIS UM ANO NA EUROPA!!!

Minha host mom ficou super contente quando liguei para ela contando. Irei morar em Leuven, uma cidade universitária, bem próxima a Bruxelas e a apenas duas horas daqui. Então, poderei sempre que quiser, passar o fim de semana aqui com eles.

Nos próximos post, vou atualizar sobre as viagens, como já disse e sobre o processo para a Bélgica.

Tot ziens!!

domingo, 2 de junho de 2013

Depois de seis meses sem postar...

Olá gente!!!

Depois de praticamente seis meses sem escrever e por pura falta de preguiça (desculpa!), dou as caras para falar como anda a minha vida por aqui.

Desde a minha última postagem, eu fiz algumas viagens, e pretendo falar sobre elas nos próximos post. Esse post quero atualizar sobre a minha vida aqui.

Estou vivendo na Holanda por quase nove meses e decidi que quero passar mais um ano na Europa. O meu maior desejo e da minha host family também, é que eu pudesse ficar mais um ano. Até pensamos em algumas possibilidades, mas até agora nada deu certo, então terei mesmo que ir embora em Setembro. Decidi que quero ir para a Bélgica, pois é perto da Holanda e assim, poderei vir visitá-los sempre, pois eles são mais do que apenas uma família que me recebeu aqui, eles se tornaram mesmo a minha família.

Estou em contato com duas famílias, uma da Bélgica e uma da França. Tive um skype com a atual au pair da família da França e tive meio que um balde de água fria. Para mim, eu me propus a morar com pessoas que eu não conhecia, mas esperava poder me integrar na família. Na minha atual host family, eu não apenas me integrei, como me tornei membro da família. Eu penso que já que estou me propondo a morar um ano com pessoas que não conheço, o mais importante para mim é não apenas me sentir bem-vinda na casa, mas parte da família. Porém, sobre a família da França, o que atual au pair me falou é que isso com eles é bem difícil, pois ela se sente apenas alguém que trabalhe lá, e eu não consigo imaginar isso para mim. Eu sou uma pessoa bastante afetiva e morar numa casa que eu sou apenas uma estranha, não soa certo para mim. Então, estou contando apenas com a família da Bélgica, que parece ser bem legal.

Hoje, domingo, tenho dois skypes, um com essa família da Bélgica e mais à noite, com a família da França. Estou um pouco ansiosa, mas espero que tudo dê certo.

Eu também comecei a ajudar minha família a encontrar outra au pair para me substituir. Quando você cuida todos os dias de duas princesas lindas, o amor que você sente por elas é inexplicável. Você percebe que quando alguém faz algo que as machuque, o seu único sentimento é fazer a mesma coisa para a pessoa. Acho que é um pouco sentimento de mãe talvez, não sei. Por isso, ajudei a minha host a escolher os melhores dos melhores applications que recebemos. É ao mesmo tempo um pouco dolorido, pois estou muito muito muito muito muitoooo triste por ter que ir embora. Mas enfim, é só mais uma fase. Nós criamos laços para o resto da vida e sempre vou vir visitá-lo e espero que eles também visitem o Brasil.

Nos próximos posts eu falarei sobre as minhas viagens. Tenho vááááárias coisas para contar de todos os lugares que eu já visitei.

Kusjes!!!

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Ahhhh.. a neve!!!

Hola personas,

Esse não será um post muito grande. Só para registrar a minha felicidade em ver a neve pela primeira vez!

Na manhã última segunda-feira, eu acordei e pouco minutos depois, meu host me mandou um sms dizendo que estava nevando. Quando olhei pela janela, não conseguia dizer quão incrível era ver aquilo. Fiquei parada, maravilhada por alguns minutos, olhando cada floco de neve cair. 

Nevou apenas pela manhã e não foi forte o bastante para cobrir absolutamente tudo de branco. Mas de tarde, quando fui buscar a Kiki na escola, era lindo olhar as gramas ainda brancas.



A previsão é de que amanhã neve de novo. Estou ansiosa para ver novamente!

Doei!

Paris

Bonjour!

Dei uma bela sumida, mas foi mesmo a preguiça e um pouco da decepção com relação à França que me deixou um pouco sem vontade de falar sobre Paris.

No dia 8 de novembro eu embarquei para Paris e cheguei na sexta-feira de manhã. Porém, antes de conseguir finalmente embarcar, várias coisas aconteceram. Eu não tinha terminado de fazer a minha mala. Estava super em dúvida sobre o que levar, mas como sairia de casa só às 20:45h, achei que daria tempo. Eu só não contava que a minha host ia pegar trânsito no caminho de Amsterdam para casa, coisa que por sinal, nunca havia acontecido. Por volta das 18h, ela me ligou dizendo que voltaria para Amsterdam e meu host voltaria para casa para me pagar, porque ela não conseguiria voltar em tempo e ainda teria que ir novamente para Amsterdam; ou seja, eu tive que babysitar. Simplesmente surtei. Havia planejado sair de casa em tempo de chegar com uma hora de antecedência para pegar o ônibus, mas acabei me atrasando e saí em tempo de chegar com meia hora de antecedência. Mas adivinha? O ônibus que aqui quase nunca atrasa, atrasou cerca de 10 minutos. Eu já comecei a ficar angustiada. Quando o ônibus finalmente passou e chagamos em Amsterdam, fui para o suposto ponto do outro ônibus que eu deveria pegar. O ponto tinha o número do ônibus e apenas para não ter dúvida alguma, eu perguntei ao rapaz que também esperava, se o ônibus realmente passaria ali e o querido disse que sim. De repente o ônibus passa e não para. Eu entrei em desespero e simplesmente não pude fazer nada pois o ônibus foi embora. Uns caras que passaram num carro logo atrás, me alertaram que eu teria que esperar na parte de cima da estação. Mas eu tinha um pouco mais de 30 minutos e ainda teria que esperar outro ônibus que não fazia ideia de que horas passaria. Liguei para minha host desesperada e ela dizia que estava indo para a casa, que passaria para me pegar e então o outro ônibus finalmente passou. Quando cheguei no estacionamento para pegar o ônibus em direção à Paris, já era 22:58 e meu ônibus sairia às 23h (horário inglês..ou seja, extremamente pontual). Eu perguntei para uma mulher onde era o ônibus, ela me apontou e falou para eu correr. Um cara surgiu do nada dizendo que era agente da empresa para eu entrar no carro que ele me levaria. Fiquei com um pouco de receio, mas dava uns 50 m de onde eu estava. Enfim, depois de todo o sufoco, entrei no ônibus às 22:59h. Ufa!

Eu não acredito muito quando dizem que a primeira impressão é a que fica, mas nesse caso, preciso concordar.

Desci do ônibus e fui direto ao metrô e a primeira coisa que eu vi, me assustou um pouco. Havia um mendigo dormindo lá. Apesar de isso ser comum no Brasil, eu nunca vi nenhum morador de rua aqui na Holanda e acho que já me acostumei com isso; talvez por isso, me abalei tanto ao me deparar com algo assim em plena cidade luz.

Acho que tenho mais pontos negativos do que positivos para dizer sobre Paris. O metrô é bem funcional. Isso eu achei o máximo, porque quem é ou já esteve em São Paulo, sabe o quão deficiente é o nosso metrô. Digamos que em São Paulo o metrô é mais novo, mais bonito, mais cheiroso e com poucas linhas; enquanto em Paris o metrô velho, um pouco sujo, fedido (há estações com um cheiro de urina insuportável), porém tem uma estação em cada esquina.

Metrô de Paris

Eu passaria o primeiro dia sozinha, e ainda quando estava na Holanda, meu host dad me ajudou a fazer um roteiro dos lugares que eu iria visitar. No entanto, quando cheguei no hostel, vi um folheto que dizia "Free Tour Paris" e falava sobre o melhor tour em Paris e gratuito que saía todos os dias na praça St. Michel às 11h da manhã. Resolvi acompanhar e foi beeeem legal. Quem for para Paris, eu super recomendo. Como já faz um tempo, eu não lembro o nome do guia do meu grupo, mas era um estadunidense super engraçado e deu várias dicas. O tour super vale a pena. Durante as três horas, andamos por vários lugares e ele explicou um pouco da história de cada um desses lugares. É bem interessante para quem quer saber melhor sobre a história, antes de pagar para visitar. No fim do tour, cada um contribui com o que acha que o tour vale. E vale mesmo a pena. Me ajudou a não ficar tão perdida na cidade.

Ainda no primeiro dia, depois do tour, andei com umas americanas e um cara da Austrália. Fomos à Torre Eiffel, Arco do Triunfo, Louvre.. andamos muito! Foi bem legal. Dicas para quem é ou será au pair na Europa ou qualquer residente aqui com menos de 26 anos: se você apresentar seu passaporte com o visto de residência, não pagará para subir no Arco do Triunfo, entrar no Louvre ou subir em Notre Dame. Eu não cheguei a tentar subir na Torre Eiffel, mas pode ser que também não precise pagar; não custa tentar. Isso economizou e muito a minha viagem, pois as únicas despesas que tive, foram com o metrô, hostel e comida.




Logo que cheguei em Paris, pensei em comprar o cartão que me daria direito a viajar sem limites, usando o metrô e ônibus. Mas no fim desisti e comprei os 10 tickets de metrô com desconto. E não me arrependo. O legal mesmo é você poder andar pela cidade. Ônibus eu não vejo realmente nenhum necessidade, já que o metrô alcança todos os lugares turísticos. Eu ainda voltei para casa com alguns tickets de metrô. Portanto, não gaste o seu rico dinheiro naquele cartão. Não vale a pena!

O primeiro dia foi o dia que eu mais visitei a cidade. A visão de Paris de cima do Arco do Triunfo é simplesmente linda! Fui ao Louvre de noite e andei muuuuuito. Aquele lugar é muito grande e você não consegue ver tudo. Foi muito interessante ver monumentos que eu via apenas em livros, coisas da Grécia Antiga, Egito.. simplesmente incrível.

Paris do topo do Arco do Triunfo


No Louvre



No sábado, eu supostamente deveria sair com as outras au pairs, mas acabamos nos desencontrando e acabei andando sozinha. Nesse dia vi apenas a parte baixo da Igreja de Notre Dame e quando fui tentar subir, já haviam fechado. Por isso, voltei no domingo. Digo com toda a certeza do mundo que Paris é linda quando se olha de cima. Por isso, quantos lugares se puder subir, melhor. É lindo!


Paris do topo da Catedral de Notre Dame

Acho que colocaram essa placa porque sabiam que eu estava
indo para lá e tenho o costume de cair de escadas :P

Mas quando se anda pelas ruas, a coisa muda um pouco de figura, na minha opinião. A cidade não é tão organizada como eu achei que seria. Vi bastantes lugares feios. O bairro onde era o hostel que eu estava, acredito ser no subúrbio da cidade e era bem feio. Às vezes eu não sabia se estava no centro velho de São Paulo ou em Paris. Aliás, Paris me lembrou bastante São Paulo; muita gente provavelmente vai me chamar de louca, mas foi o que eu achei.

No último dia, eu fui novamente à Catedral de Notre Dame, ao Louvre e tentei novamente ir à Torre Eiffel mas acabei me perdendo. Com um metrô em cada quarteirão naquela cidade, justa na hora que eu queria, não achei um. Quando finalmente achei, já estava irritada e resolvi voltar para o hostel.

Franceses fedem mesmo. Estava na fila do Mc Donalds e o cara na minha frente não devia ver água havia pelo menos duas semanas. O mesmo aconteceu quando estava no Starbucks e dois caras sentaram na mesa ao meu lado. Franceses também não são simpáticos. Fiz de tudo para não me perder e não precisar pedir ajuda.

Talvez eu não tenha gostado tanto assim de Paris por ter ido basicamente sozinha e viajar sozinha é um pouco deprê ou também porque depositei muita expectativa em cima de tudo o que se fala sobre a cidade. Não digo que a odiei, mas também não a amei.

Ainda assim, pretendo dar a Paris uma nova chance de me fazer mudar de ideia!

Au revoir!

terça-feira, 16 de outubro de 2012

16 de Outubro de 1990

Heyyy,

Hoje é meu aniversário e também exato um mês que cheguei aqui na Holandinha. Achei que seria legal postar algo hoje por ser duas datas importantes para mim.

Well.. to ficando velha; cheguei aos 22. O Donovon provavelmente vai me xingar quando ler isso, mas é assim que eu me sinto quando penso que apenas há alguns anos atrás, eu tinha 15 anos. E como num piscar de olhos, eu tenho 22. Mas hoje foi um ótimo dia. Fui buscar a Kiki na escola e tive a melhor surpresa do meu dia. Ela havia feito um cartaz de aniversário para mim. =) . E foi assim que ela celebrou meu aniversário o dia todo. De manhã enfeitando a sala com bandeirinhas, de tarde quando chegamos da escola e ela começou a cantar parabéns, depois do jantar quando ela ajudou seus pais a preparar a sala e o bolo para me fazer mais uma surpresa, quando escolheu meu presente de aniversário. Acho que ela estava até mais animada para o meu aniversário do que eu mesma. E me deixava mais emocionada com cada surpresa e carinho no olhar!


Só posso dizer que ela fez meu aniversário valer a pena. =)

Ganhei alguns presentes e em especial dos meus hosts, passagens para qualquer cidade que eu queria conhecer na Europa =D. Ainda não sei para onde quero ir depois de Paris. Preciso pensar à respeito. Também recebi um cartão muito fofo dos pais da minha host, pelo correio e também um vídeo muito fofo do meu querido amigo Donovon cantando "parabéns" em inglês e português...foi o máximo!

Estar distante das pessoas que eu considero importantes na minha vida, hoje em especial, foi algo bom. Infelizmente, eu me decepcionei com algumas pessoas, mas também me surpreendi muito com outras.
Obrigada à todo mundo que me desejou parabéns, pelas mensagens carinhosas e em especial às pessoas que não precisaram do Facebook para lembrar.. hahahaha.

Já que cheguei aqui há um mês, acho que também seria legal falar sobre o que eu tenho achado de tudo até agora. Eu amo morar aqui, amo a segurança que sinto aqui, a educação das pessoas. Algumas coisas ainda continuo achando um pouco estranho mas nada que não se aprenda a conviver. Não sinto saudade do Brasil, mas de algumas pessoas sim. Pode ser que algum dia eu tenha homesick, mas se tudo for como tem sido, não acredito que isso acontecerá. Acho que a host family tem um papel muito importante nesse sentido. A minha me trata de fato como membro da família e me faz sentir querida aqui. E a cada dia, eu sinto que essa relação se estreita ainda mais. Às vezes quando eu penso que é apenas por um ano, eu fico um pouco triste. Espero que demore muito para passar. No entanto, parece que foi ontem que cheguei, e na verdade, foi há exato um mês.

Doei!

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Kiki

Dag!

No fim de semana fomos conhecer o Palácio Real e foi super interessante. Aprendi um pouco sobre história, sobre algumas características das pinturas e confesso que amo isso. Adoro passar horas escutando sobre. E é exatamente isso me que faz pensar que eu estou no local exato. A Europa é o máximo. Poder andar por aí e ver castelos, casas ou qualquer outra coisa que seja "mais velha até mesmo que o meu país", que tenha muita história para contar, me dá uma sensação que eu não sei explicar ao certo. Mas me sinto muito feliz, realizada!

O Palácio é enorme e tem um jardim que eu não me importaria nenhum pouco se tivesse na minha casa... hahaha



Mas vamos ao ponto principal do post. Hoje foi um dos dias em que eu mais me senti à vontade com a minha mais velha. Desde que cheguei aqui, ela sempre foi muito carinhosa, mas não à ponto de demonstrar isso abertamente. Mas eu poderia ver em pequenas coisas, como quando eu quebrei meu dedo e mesmo quando já estava apenas com a tala e minha host falou para ela pedir para eu pegá-la, a Kiki disse que eu não poderia pois estava com o dedo quebrado. Por aqui, as crianças já começaram a enviar cartas ao Sinterklaas e na carta que ela escreveu, fez questão que o Sinterklaas soubesse que agora eu moro aqui com ela e não mais no Brasil. Pequenas coisas que deixavam claro que ela gostava de mim, mas ainda era muito difícil quando ficávamos sozinhas. Muitas vezes eu me sentia fracassada. Tentava fazer coisas que sabia que ela gostaria, mas mesmo assim, ela se recusava a brincar comigo e continuava sempre muito introvertida. É incrível como em tão pouco tempo eu já me apeguei tanto à elas e essa barreira entre a Kiki e eu me deixava bastante triste. No entanto, posso dizer muito feliz, que hoje, pela primeira vez, eu senti que isso realmente começou a mudar. =)



Kusjes

domingo, 7 de outubro de 2012

Um passeio por Naarden e um joelho ralado

Olá meu povo,

Mais uma semana nessa Holandinha e para esse fim de semana eu estava sem planos, até algumas horas atrás. Estou um pouco doente há uns dias e não estava muito animada para muitas aventuras. No entanto, o sol hoje estava tão bonito lá fora que eu não poderia continuar em casa sem fazer nada.

Mesmo um pouco tarde, comentei com o meu host que estava afim de andar de bicicleta por aí e perguntei para onde ele achava que eu deveria ir. Ele me sugeriu Naarden que é uma cidade a uns 10 km daqui e então eu fui. Não pude ficar muito tempo por lá, porque quando saí de casa, já passava das cinco da tarde. Eles traçaram uma rota no meu mapa que eu iria por dentro da floresta. E foi o máximo! Confesso que ficava um pouco apreensiva certos momentos em que eu estava sozinha no meio da floresta mas foi demais andar por lá.

Caminho pela floresta
Uma casa no meio da floresta
Eu não estou acostumada a andar tanto tempo de bicicleta e senti como se minhas pernas fossem ficar torneadas, ala Sheila Carvalho, de uma hora para outra. Muitas vezes, ficava um pouco confusa no meio da floresta, mas fiquei tão feliz quando finalmente vi a rodovia e soube que estava no local certo. Fiquei orgulhosa de mim mesma por não ter me perdido, já que isso virou algo cotidiano na minha vida.




A entrada de Naarden






Mas espera? Sério mesmo Walquirya, que você foi sem se perder e voltou, novamente sem me perder? Tudo assim, tão perfeito?? Claaaaaaro que não! Estava tudo dando certo demais para ser verdade. Na volta, eu não fui pela floresta porque já estava escuro; então peguei uma rodovia. De repente, eu comecei a ouvir barulhos e, como já estava me achando uma ciclista nata, resolvi olhar para trás, para ver o que era. Adivinha? Sim, eu caí. Estava até demorando muito; três semanas na Holanda e nenhum tombo feio da bicicleta. O vento aqui é muito gelado e minhas mãos doíam. Quando caí, eu as senti um pouco pior. Minha calça não rasgou, apesar de eu sentir meu joelho. Quando cheguei em casa, fui ver se realmente estava tudo bem com meu joelho e olha só a minha surpresa.


Desde que eu cheguei aqui, já caí mais do que na minha vida toda. Da última vez foi um dedo fraturado, agora um joelho ralado. Eu espero terminar meu ano como au pair aqui, inteira ainda!

Mas enfim, o passeio de hoje, apesar de ter sido planejado de uma hora para a outra, foi muito bom. Naarden é uma das cidades mais lindas que eu já vi por aqui. Amei as poucas horas que passei por lá!

Beijos